ISSN 1519-9681

ARTICLES
EDITORIAL BOARD
RULES AND INSTRUCTIONS
SITES POINTING TO CLE e-PRINTS

Articles

.
.
Vol. 11(3), 2011
..
Vol. 11(2), 2011
.
.
..
.


Vol. 11(2), 2011
Indistinguibilidade, não-reflexividade,
ontologia e física quântica
Jonas Rafael Becker Arenhart; Décio Krause
Departamento de Filosofia
Universidade Federal de Santa Catarina - Campus Trindade
Florianópolis, SC - Brasil
Resumo: É plausível assumir que a mecânica quântica não-relativista nos compromete ontologicamente com objetos que podem ser tomados como absolutamente indistinguíveis e, de certa forma, como sendo desprovidos de individualidade. Neste artigo, discutiremos primeiramente, de modo breve e geral, a natureza desse compromisso, como ele pode ser compreendido em termos metafísicos, e sua relação com os sistemas de lógica utilizados para falar sobre os objetos com os quais nos comprometemos. Apresentamos então alguns dos principais aspectos da mecânica quântica ortodoxa aos quais usualmente se recorre quando se deseja fornecer argumentos que sustentem uma ontologia de objetos com estas características, ou seja, de objetos indistinguíveis e sem individualidade. Por fim, exibimos um sistema de teoria de conjuntos, a teoria de quase-conjuntos, que busca captar formalmente e de modo natural essas características, e assim, pode ser utilizada como lógica subjacente para se fundamentar uma metafísica de não-indivíduos.
Palavras-chave: mecânica quântica, ontologia, não-individualidade, indistinguibilidade, quase-conjuntos.


Abstract: It is reasonable to assume that non-relativistic quantum mechanics commits us with an ontology of objects which can be seen as both absolutely indistinguishable and as lacking individuality in some sense. In this paper we first pose in a general setting the nature of this commitment, how it can be understood in metaphysical terms, and its relationships with the logical systems employed to talk about those objects we are committed with. Then we present some of the main aspects of orthodox quantum mechanics which are usually employed to provide arguments suggesting an ontology of objects having these features, that is, being indistinguishable and having no individuality. In the final part of the paper, we sketch the main features of quasi-set theory, a system of set theory whose purpose is to capture formally these features in a natural way and, so, may be employed as the underlying logic in grounding a metaphysics of non-individuals.
Key-words: quantum mechanics, ontology, non-individuality, indistinguishability, quasi-sets.
vol. 11, n. 2, 2011

|   Home   |   2011   |   2010   |   2009   |   2008   |   2007   |    2005   |   2004   |   2003   |   2002   |   2001   |

© 2001-2011 - Centre for Logic, Epistemology and the History of Science – CLE