Os Cadernos de História e Filosofia da Ciência dirigem-se especialmente ao público interessado nas áreas de Epistemologia, Filosofia da Ciência, Teoria do Conhecimento e História das Ciências. Têm por objetivo central a publicação de artigos e notas originais de pesquisadores nacionais e estrangeiros, traduções de textos concernentes aos temas mais centrais da reflexão filosófica, metodológica e histórica sobre a ciência, e traduções comentadas de textos marcantes do desenrolar histórico dessa reflexão, bem como resenhas nas áreas do conhecimento em que os Cadernos atuam.

 

Nova Série - Cadernos de História e Filosofia da Ciência

A revista Cadernos de História e Filosofia da Ciência (Cahiers of History and Philosophy of Science), editada pelo Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência (CLE), Unicamp, tendo como novos editores os Profs. Jairo José da Silva e Osvaldo Pessoa Jr., está lançando a sua nova série. Publicada desde 1980 até o presente apenas em português, Cadernos estará a partir de agora aceitando contribuições também em espanhol, francês e inglês, nas áreas de história e filosofia das ciências formais (lógica e matemática) e empíricas, puras ou aplicadas, com ênfase em questões científicas mais que institucionais.

As contribuições devem ser enviadas por correio eletrônico para CLE - Publicações <publicacoes@cle.unicamp.br>. A decisão da revista, após análise por nosso corpo de pareceristas, também será comunicada aos autores por correio eletrônico. Os números dessa nova série (dois por ano), assim como todos os números anteriores, estarão disponíveis para download grátis. Cópias em papel de artigos específicos ou números completos poderão ser solicitadas mediante pagamento de uma tarifa a ser estipulada.

Esta nova série está comprometida com as intenções originais do CLE ao lançar os Cadernos, quais sejam, ser um veículo para a discussão e divulgação de métodos de investigação, perspectivas, ideias originais e descobertas em história e filosofia das ciências, entendendo por “ciência” o que é conhecido por esse nome, ou pelo de “filosofia natural”, desde a Idade Média tardia até nossos dias. Reconhecemos, entretanto, que tanto o período medieval quanto o antigo, tanto no Ocidente quanto no Oriente, podem ser de interesse para o historiador ou filósofo da ciência (a matemática, a astronomia e a medicinas antigas são óbvios exemplos), desde que a ênfase seja posta em questões propriamente científicas, não filosóficas. Em suma, não entendemos que “ciência” seja um termo genérico para conhecimento e, portanto, fazemos uma distinção entre filosofia da ciência e epistemologia ou teoria do conhecimento.