Evolucionismo e Criatividade na Filosofia de Peirce

Versão para impressãoVersão para impressão

Pretendo expor no seminário as linhas mestras do sistema teórico de Peirce[1], evidenciando, principalmente, seu indeterminismo tanto epistemológico quanto ontológico, associado à linhagem evolucionista de seu pensamento. Este quadro de indeterminação faz com que se abandonem, à luz de sua filosofia, pretensões de certeza absoluta, fim tão intensamente perseguido nas filosofias renascentista e iluminista. De outro lado, o indeterminismo de dupla face, a saber, semioticamente dos signos e dos objetos, proporciona pensar criatividade também pela sua dupla acepção, tanto na Natureza quanto na cultura, esta envolvendo as diversas formas de representação dos fenômenos em sua alteridade e suas qualidades. Criar significará, nesse contexto, inserir algo novo em algum sistema de signos, entendido, sob o realismo de Peirce, de modo não antropocêntrico. Para tanto, tal sistema deve possibilitar tal inserção, dando espaço para a formação de novas estruturas epistemológicas e ontológicas evolucionariamente auto-organizáveis, entendidas, na filosofia de Peirce, como hábitos mediadores de conduta em face de um mundo real.

Autor(es): 
Prof. Dr. Ivo Ibri
Créditos: 
Grupo Interdisciplinar Sobre Auto-Organização
Data: 
quinta-feira, Novembro 7, 2013
Categoria: 
Ciências Humanas,Filosofia
Assunto: 
Peirce,Auto-Organização,Evolucionismo,Criatividade