Sobre Crer e Duvidar – O caráter ético do pragmatismo de Peirce

Versão para impressãoVersão para impressão

Nesse seminário, pretendo expor as bases da filosofia de Peirce, cujo caráter heurístico sugere sua continuação, seja por uma combinatória de conceitos que ele legou seja por novas ideias que tal filosofia suscita. Em particular, mencionarei a Fenomenologia, que na maturidade de sua obra se torna a ciência fundante de suas três categorias, seguindo-se uma breve exposição das ciências normativas, Estética, Ética e Lógica ou Semiótica. Na sequencia, será realçado o caráter ético implícito no pragmatismo de Peirce e, assim, seu vínculo com as ciências normativas. A partir desse ponto, iniciaremos uma reflexão sobre um célebre texto entre os raros publicados por Peirce: The Fixation of Belief, no Popular Science Monthly, em novembro de 1877. Nesse ensaio, ele reafirma os princípios de seu pragmatismo, discutindo a falta de sentido pragmático dos ceticismos que se inseriram na história da filosofia, sejam metódicos ou empiricamente especulativos, como os de Descartes e Hume, respectivamente. Peirce, na continuidade de seu ensaio, passa a analisar como as crenças, tomadas como hábitos de conduta e, portanto, permeando todas as nuanças da vida humana, se estabelecem como guias de nossas ações. Propondo quatro modos pelas quais elas se fixam, ele busca mostrar o caráter sempre dialógico dos signos com seus objetos na crença que se estabelece pelo método das ciências.

Autor(es): 
Prof. Dr. Ivo Ibri
Créditos: 
Grupo Interdisciplinar CLE Auto-Organização
Data: 
sexta-feira, Dezembro 5, 2014