Experiência e Natureza: a Teoria da Gestalt entre a ciência e a fenomenologia (Experiência e Natureza no Gestaltismo)

Autores

  • Departamento de Psicologia Universidade Metodista de Piracicaba PIRACICABA, SP

Resumo

Apresentamos neste artigo uma leitura da Teoria da Gestalt que enfatiza o papel da investigação fenomenológica na fundamentação de seus conceitos centrais e na construção de uma nova noção de natureza que permitiria a integração das diferentes disciplinas científicas. A essência de nossa argumentação consistiu numa análise da obra “O lugar do valor num mundo de fatos” de Wolfgang Köhler, em que a noção de demanda e a descrição da experiência de transcendência transfenomenal se articulam na refutação do fenomenalismo, indicando o caminho para um dualismo epistemológico que implicaria um conceito de natureza como exterior à consciência, mas, ao mesmo tempo, mais próxima do mundo vivido – implicação que consideramos a mais importante da hipótese do isomorfismo. Esse isomorfismo mostrou-se uma das condições de possibilidade da mesma ciência que nega a participação de valores e demandas na natureza que lhe serve de objeto.  

Palavras-chave: Fenomenologia. Gestalt. Isomorfismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-02-07

Edição

Seção

Artigos