O “eu penso” e o método da Dedução transcendental

  • Pedro Costa Rego Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

O estudo que este artigo parcialmente apresenta está dividido em duas seções, uma objetiva e uma metodológica, que acompanham uma análise sintático-semântica da frase inaugural do §16 da Crítica da Razão Pura (1787): “O eu penso tem que poder acompanhar todas as minhas representações”, e sua subsequente explicação. Dedico-me aqui apenas à segunda delas. Trata-se de uma análise do sujeito dessa proposição, que aponta para a relevância metodológica do eu penso como enunciado reflexivo, que é mais que uma mera ligação espontânea de um diverso intuitivo e menos do que a aplicação da unidade objetiva da apercepção em juízos de experiência. Defendo que apenas nessa acepção o eu penso pode ser capaz de patrocinar a passagem da consciência empírica de um diverso, que Kant chama de unidade subjetiva da apercepção, para a certeza da possibilidade de um conhecimento objetivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-06-03
Como Citar
Rego, P. (2018). O “eu penso” e o método da Dedução transcendental. Kant E-Prints, 193-217. Recuperado de https://www.cle.unicamp.br/eprints/index.php/kant-e-prints/article/view/1245