Sobre a habilidade de exercer influência e usar os outros: seus aspectos prudenciais e suas implicações morais

Autores

  • Luís Gustavo das Mercês Muniz Universidade Estadual de Campinas

Resumo

Alguns intérpretes da filosofia prática kantiana fazem menção à prudência considerando-a, sobretudo, dentro de um aspecto específico referido por Kant, a saber: a habilidade de exercer influência e fazer uso dos outros. Porém, há uma leitura negativa dessa concepção de prudência por parte de alguns desses estudiosos, a qual não confere o devido valor e importância a esta habilidade. O objetivo deste artigo é discutir o significado desta concepção de prudência e mostrar, a partir de uma interpretação baseada nos textos kantianos, como a prudência tem um papel relevante no trato entre sujeitos, mas também como este aspecto ocupa um lugar importante no ensino antropológico kantiano e dentro de sua pedagogia. Mostramos que a prudência não deve ser confundida com a habilidade de enganar os outros. Mas, pelo contrário, a prudência deve ser tomada como uma habilidade importante para as relações humanas e mesmo fundamental na educação moral.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-10-09

Como Citar

GUSTAVO DAS MERCÊS MUNIZ, L. Sobre a habilidade de exercer influência e usar os outros: seus aspectos prudenciais e suas implicações morais. Kant e-Prints, [S. l.], p. 97–124, 2020. Disponível em: https://www.cle.unicamp.br/eprints/index.php/kant-e-prints/article/view/1427. Acesso em: 25 fev. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)