Kant e a não conceitualidade do espaço e do tempo

Autores

  • Maria Carolina Mendonça de Resende Universidade Federal de Minas Gerais – Belo Horizonte, Brasil

Resumo

Duas hipóteses guiaram o desenvolvimento deste trabalho. A primeira afirma o status necessariamente epistêmico e, portanto, não ontológico, do espaço e do tempo na filosofia transcendental. A segunda é a de que o espaço e o tempo como formas a priori da intuição sensível apresentam uma dimensão essencialmente não conceitual da experiência perceptiva. Em vista disso, neste artigo, nossa intenção é trilhar o caminho argumentativo da constituição da idealidade transcendental do espaço e do tempo a fim de compreender esse estatuto epistêmico e não conceitual da intuição. O objetivo é o de analisar as consequências dessas duas hipóteses para a filosofia neo kantiana contemporânea que tenta compatibilizar os argumentos kantianos com os de uma posição não conceitualista. Para tanto, vamos analisar o desenvolvimento das noções de espaço e tempo, no chamado período de transição da filosofia kantiana, da fase pré-crítica à fase crítica, bem como no próprio período crítico, que culmina na doutrina da idealidade transcendental do espaço e do tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-10-13

Como Citar

CAROLINA MENDONÇA DE RESENDE, M. . Kant e a não conceitualidade do espaço e do tempo. Kant e-Prints, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 281–308, 2021. Disponível em: https://www.cle.unicamp.br/eprints/index.php/kant-e-prints/article/view/1568. Acesso em: 27 nov. 2021.